Parte 2  >>  Correlação com os impressos

O jornal impresso não será extinto, mas é fato que está sofrendo profundas alterações. Os diários agora se preocupam em estabelecer estratégias de vendas tão audazes quanto das empresas comerciais, numa tentativa de vender seus produtos: notícias e outras informações.

A internet acompanha esta tendência, ampliando-a, pois não há assinaturas ou alguma forma de cobrança considerável, e os jornais on-line têm de traçar suas estratégias a fim de obterem anunciantes, esforçando-se para que os anúncios exibidos sejam também acessados, pois são comuns os contratos com esta condição.

"(...) o que cada vez mais as pessoas que fazem e trabalham na web precisam compreender é que todas as tecnologias caminham para um ponto de convergência. Não haverá supremacia de uma tecnoidéia [grifo do autor] sobre as outras, mas uma integração, uma soma" (CÔRTES, 17/09/04).

"Sairá vitorioso quem compreender e souber gerir esse processo de mudança, quem for mais inteligente na disseminação de conteúdos informativos e na busca de parcerias para a criação de novas tecnologias e novos produtos. A mídia é nova e está em mutação, por isso o papel do jornalista na internet é fundamental" (FERRARI, 2003, p. 22).

O considerável aumento do número de usuários na internet fez com que os jornais on-line deixassem de ser apenas a transposição do impresso para o digital. Para prender a atenção dos usuários ávidos por informações, os jornais on-line começaram a preencher o espaço disponível com fóruns, chats e muitos outros serviços. Porém, é sempre em busca de conteúdo - até mesmo mais do que de serviços - que as pessoas acessam a maioria dos sites.

A grande vantagem da internet sob a mídia impressa é que ela é não-linear, os usuários podem acessar as informações livremente e contam com vários hiperlinks que aprofundam as notícias, além, é claro, de não haver limite de espaço para os conteúdos (texto), pois a capacidade de armazenagem de um site é imensa. Assim, os anunciantes encontraram na internet um veículo promissor que agrada principalmente aos jovens, consumidores em potencial para diversos produtos e serviços.

"Em um mundo onde o tempo de difusão é comprado por segundo e o espaço impresso é comprado por polegadas, os web sites oferecem uma rara oportunidade de apresentar toda a riqueza das informações de forma variada" (WILLIANS & TOLLETT, 2001, p. 83).

A nova mídia em geral fornece serviços especializados a vários pequenos segmentos de público. Entretanto, sua inovação mais importante é a distribuição de áudio, vídeo e texto num canal comum, muitas vezes em formatos interativos bidirecionais que dão aos consumidores maior controle sobre os serviços que recebem, quando obtê-los e de que forma.

Enquanto na mídia impressa qualquer alteração é arriscada, devendo ser discutida e planejada, na internet, a atualização pode e deve ser constante. Desta forma, o design de um site acaba se tornando dinâmico, devendo estar sempre sendo replanejado.

Porém, ao ler no papel, a luz é refletida, deixando as letras mais escuras, dotadas de profundidade e excelente resolução, além de o leitor naturalmente afastar ou aproximar o documento de seus olhos para permitir uma distância correta de leitura. O mesmo, obviamente, não ocorre com o monitor de um computador.

Mas o problema dos impressos está no custo de produção e distribuição, enquanto a internet é relativamente pouco dispendiosa. Depois dos investimentos iniciais em hardware e software, o uso da rede tem um custo pequeno. Publicar informações na internet e enviar e-mails geram despesas irrisórias e o site estará sempre disponível ao usuário, sendo possível saber onde o leitor clica, algo impensável na mídia impressa.

Devido a sua natureza preguiçosa, o ser humano gosta de ter acesso fácil a tudo o que precisa, encontrando na internet toda a facilidade necessária para ficar bem informado. Porém, como é bombardeado diariamente por uma quantidade avassaladora de informações, o usuário não se sente fiel a qualquer veículo digital. No caso dos jornais impressos, ocorre o inverso. A fidelidade do leitor é visível.

Os impressos fazem parte da civilização e podemos até considerá-los um indicio desta. A história abrange diversos episódios em que o homem lutou pela liberdade de imprensa e isto prova sua importância na sociedade. Como resultado desta intima relação que as pessoas possuem com as publicações impressas, a internet foi baseada no tradicional modelo impresso. Apesar de todos os seus recursos multimídia, o texto predomina na rede, pois é muito mais fácil para o usuário interagir com um produto que lhe pareça familiar de alguma forma.

Geralmente, a "página" de abertura dos sites noticiosos funciona como uma primeira página do jornal impresso, com uma manchete em destaque, alguns resumos das matérias mais importantes e links para os respectivos textos. As divisões das seções também seguem um padrão similar às publicações tradicionais, possibilitando ao usuário seguir uma estrutura editorial semelhante á publicação impressa.

  


webjornalismo.gelsonamaro.com // Jornalismo On-line: Guia Teórico e Prático

Conteúdo registrado na Biblioteca Nacional e protegido pelos Direitos Autorais

Incluir nos favoritos

Voltar para a página inicial

Entrar em contato